Os controladores de processo são adventos da automação industrial e como o próprio nome diz são responsáveis por controlar processos industriais ou parte deles por meio de algoritmos programáveis de controles específicos. Contudo, esses dispositivos não atuam sozinhos. Eles precisam de outros coadjuvantes, como atuadores e sensores.

Os primeiros controladores datam do século passado, quando o matemático e engenheiro James Watt projetou um regulador centrífugo para controlar a velocidade das máquinas a vapor. Nesse início, os controladores eram totalmente manuais. Em seguida, entre 1915 e 1930 surgiram os controles proporcionais e os registradores gráficos montados em campo e logo após esse momento, foram criados os controladores de ganho ajustável, devido a necessidade de transmitir informações para um centro de controle industrial.

Após a Segunda Guerra Mundial, no final dos anos 40 com o impulso produzido pelos transistores, surgiram os controladores eletrônicos analógicos e a transmissão de sinais em corrente. Dez anos depois, foi a vez do circuito integrado, quando foram usados os primeiros sistemas de controle por computador. Ainda no final dos anos 50, começaram a serem usados também os padrões de transmissão de sinais analógicos e digitais.

A grande evolução dos sensores e controle digital direto ou direct digital control (DDC) ocorreu nos anos 60, bem como o aparecimento dos primeiros controladores programáveis para substituir os quadros de comando elétricos nas indústrias automotivas.

E por fim, na década de 70, com o uso dos microprocessadores, os Controladores Lógicos Programáveis (CLP) ou Programmable Logic Controller (PLC) passaram a ser usados em várias aplicações para automação de processos industriais e não industriais. Agora que você já sabe a história evolutiva dos controladores, entenda mais sobre o papel dessas máquinas na automação industrial.

O que são controladores industriais e que funções devem fazer

CNC

O CNC ou máquina de Comando Numérico Computadorizado possui funcionalidades necessárias para o controle de sistemas que necessitem de interpolação de eixo, com um número mínimo de dois e máximo de N motores podendo chegar até 32 eixos,  (em grupos de até 6 dimensões) com grande precisão.

Essas máquinas são alimentadas por uma série de instruções, as quais são entregues a um controlador, e essas instruções ocorrem na forma de códigos oriundos da linguagem de programação de controle numérico.

Motion Controller

O motion controller é um controlador de movimento, ou seja, possui funcionalidades para controlar movimentos por computadores digitais ou até mesmo por componentes analógicos. Esses controladores possuem funcionalidades necessárias para acionamento e controle de servo motores, motores lineares, máquinas-ferramentas CNC e qualquer outro tipo de motor controlado.

O motion controller também tem a função PLC incorporada e realiza o acionamento de sistemas motores, um ou mais motores, que são acionados individualmente e de forma mais isolada — motor a motor. Eles são destinados a aplicações com controle de posicionamento, velocidade e torque.

PLC

O Controlador Lógico Programável (CLP) ou Programmable Logic Controller (PLC) surgiu como uma solução própria para ambientes industriais, operando variáveis digitais, graças ao surgimento dos dispositivos microprocessados.

São os controladores mais usados na indústria e também os mais básicos, que realizam as funções simples e lógicas, sem a necessidade de cálculos complexos. Conceitualmente o PLC é um equipamento projetado para comandar e monitorar máquinas ou processos industriais.

Que diferença fazem na indústria: exemplos de aplicação

CNC

As funcionalidades do CNC são aplicadas às máquinas complexas, que fazem produtos mais sofisticados, como as de corte a laser, corte de jato, corte a plasma, corte de tecido, tornos, usinagem, ou qualquer outro tipo de equipamento que precise da combinação de movimento de dois ou mais motores para resultar em um movimento específico do end effector, ou seja o resultado final ou ponto alvo do movimento.

São destinados a máquinas mais tecnológicas que acarretam em resultados positivos nos produtos, com mais dinamismo durante o processo. Além disso, a interpolação permite a realização de dois processos ao mesmo tempo.

Motion Controller

O motion controller é usado principalmente para o posicionamento durante processos de fabricação. São máquinas com capacidade de posicionamento de alta velocidade, que resultam em um movimento final. Eles são usados em sistemas mecânicos para máquinas de flow pack de embalagens. Todo tipo de indústria que que fabrica produtos com maior valor agregado ou necessitam embalar produtos certamente vão precisar do motion controller.

PLC

O PLC realiza as funcionalidades necessárias para a automação de processos industriais, como leituras de sensores, acionamento de válvulas, acionamento de motores, dentre outros dispositivos não inteligentes. O uso do PLC serve para monitorar o nível de um elemento armazenado em tanque de uma indústria química, por exemplo. A partir da leitura de sensores, o PLC é capaz de acionar dispositivos que regulam o nível conforme o desejado.

Quem é capaz de programar um controlador industrial

Para ser um programador de um controlador industrial, o profissional deve ter no currículo cursos técnicos em elétrica, automação industrial e eletrotécnica. Esses cursos os capacitam para programar os sistemas. Seria importante ainda que a maioria dos programadores de controladores industriais fossem engenheiros, pois assim teriam mais conhecimento sobre os dispositivos que precisam acionar, e teriam noções de programação mais evoluídas.

Para lidar com o avanço gradativo da tecnologia ligado ao processo de automação, é essencial ainda que o profissional tenha uma formação bem completa no que diz respeito ao planejamento, operação, manutenção e otimização dos sistemas automatizados.

Além disso, os programadores contam com todas as informações necessárias que serão auxiliares na programação. No caso dos controladores da ProMotion, elas estão contidas no software da plataforma de programação de suporte. O protocolo de comunicação é muito importante para orientar na seleção dos dispositivos que serão acionados no sistema e no esclarecimento das características compatíveis aos sistemas e inerentes às aplicações. Todo esse procedimento garante a segurança do programador do controlador industrial diante das funcionalidades específicas do sistema.

O que você achou do nosso post sobre o uso dos controladores na automação industrial? Acredita que a utilização dos controladores pode melhorar ainda mais a linha de produção da sua empresa e tornar a automatização dos seus processos mais eficiente? Deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *