Inventado na década de 1980 pelo professor suíço Raymond Clavel, na Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suíça, o robô Delta se consolidou como uma solução para maior velocidade, padronização e precisão nos processos industriais. Ele consiste na aplicação pick and place, ou seja, é capaz de pegar um objeto em um lugar e transferi-lo para outro espaço.

Quando foi desenvolvido, esse equipamento tinha como objetivo manipular objetos leves e pequenos em alta velocidade. Inicialmente muito utilizado na indústria de empacotamento, o robô Delta tem atualmente aplicação em qualquer nicho que tenha a necessidade de produzir um alto volume de peças e produtos — de 50 gramas até 1 kg — em até 150 ciclos por minuto.

Robôs paralelos

O robô Delta é um robô paralelo, ou seja, um sistema mecânico composto por barras lineares denominadas braços. Esses braços são acionados por motores diretamente conectados à sua base, as quais geram movimentos angulares e extremamente sincronizados, possibilitando a movimentação do efetuador (garra ou ferramenta) e, dessa forma, a manipulação de peças e ou produtos.

Por meio da distribuição de força entre elos paralelos e a presença de uma única conexão à base, o peso do robô e sua inércia são reduzidos, proporcionando a realização de tarefas em alta velocidade com grande precisão.

Robô Delta e suas aplicações

A alta velocidade ao realizar tarefas nos processos produtivos é o grande diferencial do robô Delta, que pode ser aproveitado em diferentes setores industriais. Qualquer linha de produção em que se aplique o modelo pick and place com grande quantidade de ciclos por minuto será beneficiada pela capacidade produtiva do Delta.

A velocidade atingida está diretamente atrelada ao peso e à característica do produto que será manipulado. Para mercadorias com 100g, o robô Delta será capaz de atingir 180 ciclos por minuto. Entretanto, é importante ressaltar que o produto em questão deverá comportar tal volume de ciclos, para que não seja danificado pelo sistema mecânico.

A adoção do robô Delta às linhas de produção impacta diretamente na capacidade produtiva, permitindo que funcionários sejam remanejados para outros setores. Por meio do sistema automatizado de visão do Delta, é possível unir esteiras e utilizar o robô para a seleção de produtos.

Numa indústria alimentícia, o Delta é capaz, por exemplo, de diferenciar, por meio de cores de embalagens ou do próprio produto, sabores de biscoitos ainda que todos tenham o mesmo formato. Assim, é dispensada a necessidade de uma esteira transportadora para cada tipo de alimento.

Seja doce ou salgado, o robô reconhecerá o biscoito e o colocará exatamente na posição correta em sua embalagem, com precisão milimétrica. Todos os biscoitos serão divididos nas caixas específicas sem qualquer falha ou risco de contaminação. Isso é possível graças ao sistema automatizado de visão que detecta o produto na esteira, garantindo a otimização de todo o processo.

Conectividade com outros sistemas

A utilização do robô Delta em processos industriais pode ser feita aliada a outros sistemas, como o Enterprise Resource Planning (ERP). Esse sistema de informação pode ser conectado ao robô e gerenciar remotamente toda a linha de produção. Assim, é possível controlar quantas peças foram manipuladas pelo Delta a cada minuto e estimar a produção industrial de forma mais ágil e em tempo real.

Como isso é feito? Por meio de um software, é possível conectar qualquer variável interna a outros sistemas de automação, como controladores e/ou robôs. No caso dos robôs Delta, fabricados pela ProMotion, a empresa desenvolveu uma tecnologia chamada Automation Source Access (ASA),

O ASA fornece uma lista de símbolos que pode ser utilizada pelas desenvolvedoras do software ERP para controlar variáveis ou até mesmo “escrever uma receita” para o robô. O código é programável pelo ERP e sua escrita é feita diretamente dentro da máquina, assegurando a conectividade entre o Delta e o sistema de informação.

Sistema automatizado de visão

Os sistemas automatizados de visão dos robôs Delta podem ser realizados por meio de câmeras ou até mesmo por sensores, de acordo com a necessidade de cada aplicação. Essa relação também impactará no preço dos equipamentos a serem utilizados. Em casos que demandem altíssima resolução das imagens a serem capturadas, as câmeras a serem utilizadas levarão à necessidade de maior investimento. Em suma, a capacidade tecnológica utilizada nesse sistema está atrelada ao produto manipulado.

Para melhor compreendimento do sistema automatizado de visão do robô Delta, imagine que uma indústria desenvolva um produto com duas especificações similares — como os biscoitos doce e salgado citados anteriormente. Nesse caso, a embalagem possui o mesmo contorno e o que diferencia os produtos é apenas um detalhe do rótulo de cada um deles. Para que o robô saiba qual biscoito manipular, será necessário utilizar uma câmera mais sofisticada para fazer essa detecção.

No sistema automatizado de visão dos robôs Delta, a câmera pode ser utilizada ainda para a diferenciação entre contornos de objetos — peças quadradas, retangulares ou redondas. Nesse caso, a câmera informará as coordenadas da peça em deslocamento na esteira para que o robô possa realizar a sincronia e capturá-la.

De acordo com a aplicação individual de cada robô e as características dos produtos que serão manipulados, podem ser utilizadas sistemas automatizados de visão, com câmeras sofisticadas, ou sensores de visão, capazes apenas de detectar contornos.

Autonomia e capacidade produtiva

A princípio, a programação do robô Delta pode ser feita manualmente. É determinado o local onde o produto deve ser pego, qual deve ser o trajeto até o ponto de destino e sua deposição. A partir de então, as linhas e coordenadas seguidas são salvas e é ordenada a repetição de movimentos. O processo será repetido enquanto houver peças a serem manipuladas.

Toda a programação é feita uma única vez e o Delta trabalhará de forma intermitente, apenas obedecendo o comando de outras máquinas, uma vez que, numa linha de produção, o robô atua como um acessório, enquanto os comandos são determinados por outro sistema.

O robô Delta é capaz de trabalhar 24 horas por dia durante todo o ano — exceto enquanto houver a necessidade de paralisação da produção para manutenção preventiva —, e garantir padronização a todo o processo.

A garantia de qualidade e homogeneização é um dos diferenciais proporcionados com a substituição de mão-de-obra. Outro benefício é a certeza da capacidade produtiva desse equipamento, enquanto os funcionários poderão sofrer quedas de rendimento inerentes à atividade humana.

Além da garantia de que um mesmo padrão será seguido em toda a linha de produção, o robô Delta oferece maior segurança aos funcionários da indústria, ne medida em que é eliminado o trânsito de pessoas no processo produtivo.

A diminuição da interferência humana proporciona ainda higiene aos produtos, ao evitar a possibilidade de que um funcionário possa contaminá-los enquanto os manuseia.

Desde os mais simples aos mais complexos projetos, o robô Delta impactará diretamente no aumento da capacidade produtiva. Qualquer indústria que demande velocidade e precisão em processos de pick and place, poderá usufruir dos benefícios oferecidos por esse equipamento.

Quer saber mais sobre quais os benefícios que o robô Delta pode oferecer à sua empresa? Entre em contato com a ProMotion, pioneira na fabricação de robôs no Brasil.