Máquinas a vapor, linha de produção, automação — ao longo do tempo, a indústria assimilou o progresso tecnológico e utilizou novas descobertas para alavancar a produtividade. O próximo passo, seguindo o conceito de Indústria 4.0, é incorporar definitivamente ferramentas como o Big Data e a Internet das Coisas. Você sabe o que eles significam e qual é a sua importância para a Quarta Revolução Industrial?  

Se você já percebeu que novas possibilidades prometem revolucionar a indústria nos próximos anos, não pode deixar de ler esse post. Nele, nós vamos falar o que é a indústria 4.0 e, principalmente, como o Big Data e Internet das Coisas (IoT) são essenciais para que ela se torne uma realidade. 

O que é a Indústria 4.0?

Trata-se de um conceito que prevê uma revolução no funcionamento das indústrias devido à ampla utilização da tecnologia. Hoje, ela é mais um ideal do que uma prática, aqui no Brasil.

Porém, ela já é uma realidade em empresas de países desenvolvidos, em grandes multinacionais e até mesmo em algumas empresas brasileiras. Mesmo assim, existe todo um trabalho para desenvolver novos dispositivos e recursos para torná-la ainda mais presente. 

O principal conceito envolvido no desenvolvimento da indústria 4.0 é o “machine to machine” (M2M), que por sua vez depende da utilização do Big Data e Internet of Things. Ele prevê um nível ainda mais acentuado de automação, controle e tecnologia da informação aos processos de produção.  

Segundo esse conceito, nos próximos anos as empresas integrarão sistemas ciber-físicos e Internet das Coisas, tornando as fábricas inteligentes. Isso permitirá automatizar completamente e otimizar a produção, reduzir a quantidade de erros, customizar atividades e aumentar a lucratividade. 

Por que o Big Data e a IoT são importantes para a indústria 4.0? 

Esses dois conceitos são não só importantes, como os verdadeiros pilares da indústria 4.0. Entenda de que forma eles viabilizam essa revolução:  

Big Data

Big Data já é uma realidade em muitas organizações. Trata-se da captação de um grande volume de dados, seleção, organização e cruzamento de informações relevantes para a tomada de decisões.

A conexão permanente permite que esse banco de dados seja dinâmico. Isso significa que ele é atualizado em tempo real, de acordo com os eventos externos a uma organização. 

A importância do Big Data para a indústria

Não existe um único fator que torna o Big Data importante, porém talvez sua maior relevância seja a de garantir que os gestores tenham a oportunidade de basear suas decisões em dados reais. 

Desta forma, eles não precisam correr riscos. Não se trata de basear as decisões no feeling ou em suposições, mas em um volume enorme de dados devidamente processados que apontam tendências ou revelam fatos.

Como o Big Data é utilizado no mercado 

A utilização deste banco de dados é cada vez mais comum. Ele pode ser utilizado para prever tendências no setor de moda, por exemplo, cruzando dados de mercado e de comportamento do consumidor de uma determinada marca.  

Desta forma, ele ajudaria a empresa a criar uma coleção de calçados com maiores chances de aceitação pelo público. Desta forma, há uma garantia de sucesso em vendas. Mas não é só isso. 

Na linha de produção desta mesma indústria calçadista, citada no exemplo, os dados gerados por um sensor podem apontar que um determinado lote de mercadorias está sendo fabricado com erros.

O Big Data reconhece essa falha antecipadamente e aborta a produção ou realiza os ajustes necessários, fazendo com que apenas poucas peças precisem ser descartadas.  

Benefícios do Big Data

  • análise de uma grande quantidade de dados de uma vez, inclusive os não estruturados;
  • decisões com maior probabilidade de acerto, pois são baseadas em dados;
  • cenários desenhados em tempo real;
  • capacidade de antecipar tendências, essenciais para definir o futuro de uma companhia;
  • possibilidade de monitorar a percepção do público em relação a uma marca;
  • acesso a informações atualizadas e confiáveis para organizar questões logísticas.

Internet das coisas

O conceito de internet das coisas ou IoT (Internet of Things, no inglês) envolve a conexão de todas as máquinas, dispositivos e outros elementos para otimizar a rotina das pessoas. 

Por meio de sensores, câmeras e sistemas, esses objetos regulariam o funcionamento uns dos outros, melhorando operações do dia a dia com a finalidade de economizar tempo e recursos financeiros, além de melhorar a qualidade e produtividade. 

Importância da IoT na indústria 4.0

Espera-se que, em um futuro próximo, esses recursos façam parte da realidade das empresas e otimizem processos produtivos. Conectados a redes de computadores, as máquinas trabalharão de forma automática, inteligente e sensorial. 

Você pode pensar que hoje as máquinas já dominam a produção e que, portanto, não há uma grande diferença. No entanto, hoje elas são controladas por pessoas.

Nesta nova fase, espera-se que as máquinas interajam entre si e com os sistemas, o que as torna apta a tomar decisões: quando ligar, desligar, acelerar ou reduzir a fabricação e solicitar suprimentos, entre outras funções.

Como a IoT pode ser usada pela indústria

Apesar de ainda não haver um padrão definido sobre o uso da IoT na indústria brasileira, espera-se que em um futuro breve ela possa revolucionar os processos dentro das empresas. 

Na indústria, esses dispositivos permitem a comunicação entre os sistemas e a publicação dos dados do chão de fábrica na nuvem, permitindo que gestores acessem essas informações, tomem decisões e ajam diante da necessidade de alterações.  

Assim, os dados são utilizados e retornam ao chão da fábrica em forma de melhorias aos processos, acarretando ganhos em produtividade.

No entanto, as opções podem ser ainda mais avançadas. Talvez a mais importante vantagem da IoT será permitir que grande parte da produção ocorra “sozinha”, tornando as fábricas inteligentes. Espera-se que a intervenção humana seja cada vez menos necessária, e que haja uma redução drástica de erros. 

Em um contexto dominado pela IoT, quando um produto estiver chegando a níveis mínimos no estoque, o próprio sistema analisará dados internos e externos para tomar uma decisão. 

Ele poderá reconhecer: (1) se o produto está sendo muito ou pouco demandado pelo mercado; (2) quantas unidades são necessárias para suprir essa demanda; (3) se a empresa tem suprimentos suficientes para a produção e, finalmente, decidir se é vantajoso ou não apostar na fabricação dessas mercadorias e iniciar esse processo.

Além disso, com base no histórico das máquinas e de sua análise de desempenho, será possível prever a época em que a possibilidade de falhas nos sistemas será maior.

Portanto, à medida em que a IoT gera automaticamente avisos  para realizar manutenções preventivas, a empresa consegue programar as paradas para esses procedimentos.  Isso evitará gastos desnecessários e pausas na produção devido a problemas com os equipamentos. 

Benefícios da internet das coisas para a indústria:

  • aumento da produtividade;
  • criação de novas estratégias e produção;
  • redução de pessoal alocado em funções repetitivas ou de controle devido à automatização;
  • detecção antecipada de problemas e correção automática;
  • melhor entendimento dos processos, com possibilidade de otimização.

Entendeu por que o Big Data e a Internet das Coisas são pilares os da indústria 4.0? Gostou do post e está curioso para ver esta nova revolução industrial? Então, que tal compartilhar com seus amigos ligados em tecnologia nas redes sociais? Eles também vão gostar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *